Noroeste do Paraná é a mesorregião que mais cresce

//Noroeste do Paraná é a mesorregião que mais cresce

Noroeste do Paraná é a mesorregião que mais cresce

 

Nos últimos anos, conforme atesta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), está em curso no Paraná um processo de desconcentração da riqueza da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). O entorno da capital perdeu 10,6% de participação no Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de 2010 a 2014. Mas o aumento de participação do interior não tem sido homogêneo. Algumas das menores mesorregiões têm aproveitado melhor esse momento. É o caso do Noroeste, que inclui municípios como Umuarama, Paranavaí e Cianorte. Sua participação no PIB foi a que mais cresceu de 2010 a 2014: 17,8%. Os dados referentes a 2014 foram divulgados semana passada pelo IBGE. As informações são de Nelson Bertolin na Folha de Londrina

Os 69 municípios do Noroeste somaram um PIB de R$ 16,7 bilhões naquele ano, o que representava 4,8% do total de R$ 348 bilhões do Paraná. Na região, vivem 713 mil habitantes, ou 6,4% do total de 11 milhões de paranaenses. E, apesar da evolução, o PIB per capita ainda era um dos mais baixos em 2014: R$ 23.500.
Também cresceu muito (15,6%) a participação de outra pequena mesorregião, o Sudeste, que reúne 21 cidades, entre elas Irati, União da Vitória e São Mateus do Sul. Na mesorregião, a participação no bolo cresceu 15,6%. Em 2014, o PIB chegou a R$ 9,8 bilhões, ou 2,8% do total. Com uma população de 427,3 mil habitantes (3,8% do total), o per capita da região ficou ainda mais baixo, em R$ 23.130.

O Centro Ocidental, formado por 25 cidades, como Campo Mourão e Engenheiro Beltrão, também cresceu na mesma proporção: 15,4%. E a soma do PIB também ficou muito próxima à do Sudeste: R$ 9 bilhões, ou 2,5% do bolo paranaense. Mas, ali, como a população é menor, de 340 mil pessoas (3%), o per capita ficou mais alto, em R$ 26.450.

É natural que as regiões menores tenham variações proporcionais mais relevantes, seja para mais ou para menos. Portanto, é melhor comparar as regiões citadas com outras também pequenas, como o Centro Sul e o Norte Pioneiro. Ao contrário das outras, as duas pouco aproveitaram o processo de descentralização da riqueza no Estado. No primeiro caso, onde ficam Guarapuava e Palmas, o aumento de participação no PIB foi de 4,7%. Foram R$ 12,9 bilhões em 2014, ou, 3,7% do total. Com 595 mil habitantes, a mesorregião ficou com o segundo PIB per capita mais baixo do Estado: R$ 22.930.

O per capita mais baixo é o do Norte Pioneiro, onde estão cidades importantes como Cornélio Procópio e Jacarezinho: R$ 19.570. Na região, vivem quase 863 mil paranaenses (7,7% da população) e o PIB de 2014 foi de apenas R$ 11 bilhões. O aumento de participação desde 2010 foi apenas de 2,6%.

CAPITAL

Apesar da redução de 10,6% de participação no PIB, a RMC ainda concentrava 42% da riqueza paranaense em 2014. Em 2010, eram 47%. Com 3,4 milhões de habitantes (31% do total), a mesorregião tinha o maior PIB per capita em 2014: R$ 39.060.

O segundo maior, de R$ 33 mil, era o da mesorregião Centro Oriental, de Ponta Grossa, Telêmaco Borba e Ortigueira. Com a instalação ali da maior parte das empresas atraídas pelo governo do Estado por meio do programa Paraná Competitivo, a região teve 12,3% de aumento de participação. O PIB de 2014 foi de R$ 24,2 bilhões. A população local é de apenas 734 mil pessoas.

“A região de Ponta Grossa recebeu muitos empreendimentos da áreas agroindustrial e de madeira e celulose”, afirma Francisco Castro, diretor de Estatística do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes). Um dos empreendimentos a que ele se refere é a fábrica da Klabin, em Ortigueira. O diretor também lembra que Ponta Grossa recebeu indústrias automobilísticas, como a fábrica de caminhões DAF.

O crescimento do Noroeste, de acordo com ele, está relacionado a um mix de indústrias, que vai desde a de frango até a de vestuário. “São atividades que geram muito emprego e renda”, justifica.

Sobre a tímida expansão do Norte Pioneiro, Castro alega ser necessário estudar melhor o caso da região. “Sabemos que há problemas de topografia o que pode prejudicar, por exemplo, a produção agrícola”, declara.

(foto: Folha de Londrina)

link matéria
http://www.folhadelondrina.com.br/economia/noroeste-do-pr-e-a-mesorregiao-que-mais-cresce-965810.html

2016-12-19T17:26:11+00:00 dezembro 19th, 2016|Categories: Uncategorized|0 Comments

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.