Em 6 meses, Prefeitura aprova 21% mais recursos para drenagem do que nos 5 anos anteriores somados

//Em 6 meses, Prefeitura aprova 21% mais recursos para drenagem do que nos 5 anos anteriores somados

Em 6 meses, Prefeitura aprova 21% mais recursos para drenagem do que nos 5 anos anteriores somados

A Prefeitura de Curitiba acelerou desde o início do ano os processos para obtenção de repasses do governo federal para as áreas de macrodrenagem e mobilidade. Nos seis primeiros meses do ano aprovou R$ 365,4 milhões para 11 empreendimentos.

O setor de drenagem representa a maior parte, R$ 254,8 milhões. Em meio ano, a Prefeitura obteve um resultado 21% maior do que nos cinco anos anteriores somados, período em que o município aprovou R$ R$ 209,9 milhões. São 11 contratos que começaram a tramitar em 2011 e 2012.

As obras fazem parte do PAC Drenagem e Gestão de Riscos de desastres naturais, financiadas pelo Ministério das Cidades e pela Caixa, e destinam-se principalmente a ações de combate a enchentes na capital.

Já os três projetos de mobilidade tratam de complementação da Linha Verde, melhoria de terminais, instalação de BRT e melhorias na linha Inter 2. Eles deram entrada para os financiamentos em 2014. Até o final de 2016, o município havia aprovado com os órgãos financiadores R$ 206,2 milhões. O resultado no primeiro semestre deste ano, R$ 110,6 milhões, equivale a 53% do resultado obtido ao longo dos dois anos anteriores.

Destravar processos
Esse desempenho foi importante para o município dar continuidade ao processo de obtenção de recursos a fundo perdido, que no total podem render R$ 1 bilhão em suas várias etapas. “O município corria o risco de perder boa parte desses recursos”, explica o secretário de Governo Municipal, Luiz Fernando Jamur.

Como os projetos estavam com várias etapas em atraso, o Ministério das Cidades iria finalizá-los. No início da gestão, o prefeito Rafael Greca conseguiu com o governo federal ampliar o prazo, para junho, para que o município diminuísse suas pendências com os financiadores.

Os projetos de macrodrenagem, por exemplo, necessitam um total de R$ 503,4 milhões, dos quais haviam sido aprovados R$ 209,9 milhões até dezembro de 2016. “Conseguimos dar ritmo ao processo burocrático, que era o que a Caixa estava exigindo”, diz Jamur.

Graças aos resultados obtidos este ano, o ministério ampliou novamente o prazo de alguns empreendimentos, agora até o final do ano, a fim de permitir que o município faça ajustes em novas etapas a serem financiadas. Com isso, Curitiba dará continuidade à viabilização de mais R$ 247,4 milhões a serem destinados a obras de mobilidade urbana).

Força-tarefa
O resultado deve-se ao trabalho de uma força-tarefa criada por Greca para atuar no destravamento dos processos. Após negociar a ampliação dos prazos, o prefeito criou um grupo envolvendo representantes das secretarias de Obras Públicas, Governo, Meio Ambiente, Finanças, Administração, Urbanismo, Trânsito, além de Ippuc, Urbs e Procuradoria Geral.

As reuniões com representantes a Caixa Econômica Federal passaram a ser semanais.

Processo contínuo
A retomada do trabalho de aprovação das etapas é importante, mas ainda é preciso vencer mais algumas fases – como é praxe neste tipo de financiamento – até que os recursos sejam efetivamente liberados e possam se transformar em obras.

Até aprovar definitivamente a verba, os financiadores exigem uma série de comprovações de cada projeto. Foi nesse processo que Curitiba conseguiu grande avanço neste ano.

Trata-se de um fluxo contínuo, que precisa ir sendo abastecido sob pena de o processo travar. O financiador cobra, por exemplo, desde questões técnicas de engenharia – como metragem cúbica de terra a ser retirada de um rio – até valores previstos em serviços específicos – como número de caminhões necessários para remover a terra do rio.

Se o município não cumpre com essas demandas, o governo pode retirar o projeto da “fila” de possíveis liberações de recursos.

Os projetos que cumpriram as exigências aguardam agora que o governo federal emita um documento chamado Síntese de Projeto Aprovado (SPA), autorizando o município a licitar a obra. A liberação efetiva do dinheiro depende do fluxo financeiro estabelecido pelo governo federal.

Jamur ressalta que, em tempos de crise econômica e contingenciamento de recursos federais, ganha ainda mais importância a qualidade dos projetos. “É necessário que eles tragam efetiva funcionalidade para a população”, explica ele. “O governo tende a financiar aqueles que demonstram ter maior viabilidade de serem concluídos.”

2017-07-17T17:40:46+00:00 julho 17th, 2017|Categories: Últimas|0 Comments

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.